São deveres do empregado para com o empregador, constituindo o seu não-cumprimento  motivo para despedimento do empregado por "justa causa":


    *  Agir com probidade ( integridade de caráter, honradez);
    *  Ter um bom comportamento (aquele compatível com as normas exigidas pelo senso comum do homem médio);
    *  Ter continência de conduta (compatível com a moral sexual e desde que relacionada com o emprego);
    * Evitar a desídia (caracterizada como a falta de diligência do empregado em relação ao emprego, nas formas de negligência, imprudência e imperícia embora haja divergências doutrinárias quanto à inclusão desta última);
    * Não apresentar-se no trabalho embriagado (embora alguns autores sustentam que a embriaguez habitual leva ao afastamento por lei como justa causa);
    * Guardar segredo profissional (quanto às informações de que dispõe sobre dados técnicos da empresa e administrativos);
    * Não praticar ato de indisciplina (descumprimento de ordens diretas e pessoais);
    * Não praticar ato lesivo à honra e boa fama do empregador ou terceiros, confundindo-se com a injúria, calúnia e difamação;
    *  Não praticar ofensas físicas, tentadas ou consumadas, contra o empregador, superior hierárquico ou terceiros (quanto a estes desde que relacionadas com o serviço);
    *  Exigir serviços superiores às forças do empregado, defesos por lei, contrários aos bons costumes ou alheios ao contrato;
    *  Tratar o empregado com rigor excessivo (válido para empregador ou por qualquer superior hierárquico);
    *  Colocar o empregado em situação de correr perigo manifesto de mal considerável;
    *  Deixar de cumprir as obrigações do contrato (ex: atraso no salário);
    *  Praticar o empregador ou seus prepostos contra o empregado, ou sua família, ato lesivo da sua honra ou boa fama;
    * Ofenderem fisicamente o empregado, o empregador ou seus prepostos, salvo caso de legítima defesa própria ou de outrem;

 Reduzir o trabalho por peça ou tarefa sensivelmente, de modo a afetar o salário.